Atelier SAMI

Memória descritiva
Datado de finais do séc. XIX, este apartamento de dois pisos foi recuperado com materiais e métodos construtivos tradicionais, procurando não desvirtuar o carácter do edifício a que pertence nem a sua integração no núcleo histórico da cidade de Setúbal, Portugal.

Ao nível do piso de entrada foram suprimidos os compartimentos interiores, de forma a permitir a entrada de luz natural em toda a casa, mas o corredor ficou intacto por ser o elemento fundamental para a caracterização do espaço existente.
A trapeira da cobertura foi desenhada como um lanternim que se transforma num volume revestido a madeira, pelo exterior, e se prolonga até um pequeno deck de onde é possível fruir a vista do rio.

A madeira surgiu como o elemento mais apropriado para revestir e unificar este conjunto por adquirir uma tonalidade escura e delicada ao envelhecer.

O projecto procurou desenvolver os aspectos mais relevantes e definidores do apartamento existente e redesenhá-lo utilizando a luz como principal elemento.